Festival de Inverno em Campos do Jordão

Desde muito pequena, viajo com os meus pais para Campos do Jordão durante as férias de julho. Por isso, acabei criando um carinho especial pela cidade.

O clima, a paisagem, a comida, as bebidas, os esportes radicais e as atrações do inverno da chamada “Suíça Brasileira” me atraem.

Onde ficar?

Neste ano, aluguei uma casa no Alto do Capivari pelo Airbnb, lugar aconchegante, com bom estacionamento, limpo e uma proprietária solícita e flexível. Recomendo!

O Booking tem algumas opções de hotel, lembre-se de sempre verificar as recomendações de qualquer tipo de hospedagem!

Campos do Jordão2

Onde comer?

Chegamos na sexta-feira no final da tarde, almoçamos em um restaurante de Capivari, que não era tão caro e ficamos pelo centro mesmo para esperar o resto da galera para passar o final de semana.

Estava acontecendo um arraiá em frente ao Market Plaza, as comidas eram gostosas e bem mais em conta. Um caldo verde, por exemplo, saia por R$ 10 e era bem servido. Tinha até pastel de pinhão com queijo. A pista de patinação no gelo estava no local.

O que fazer?

No sábado pela manhã fomos ao Pico de Itapeva, com estacionamento a R$ 5, e muitas lojinhas de roupas que são mais baratas do que em Capivari.

A vista não estava das melhores por causa da neblina, mas geralmente o lugar é conhecido por possibilitar a visualização de várias cidades da região.

Na Ducha de Prata da para tirar fotos lindas e também fazer comprinhas.

Nossa próxima parada foi no Tarundu, o parque é novidade para mim, tem tirolesa, cavalos, orbit ball, arco e flecha, golf, paintball e patinação no gelo.

Campos do Jordão

Eu, e a maioria das pessoas que estavam lá, achei tudo muito caro. Só para entrar tem que desembolsar R$ 5 por pessoa e os planos mais baratos para curtir as atrações são mais de R$100.

Almoçamos em um restaurante por quilo que também tinha comida à la carte, o Sergio’s, vale o custo x benefício.

Festival de Inverno

A noite apreciamos um concerto no Auditório Cláudio Santoro, fomos comer na quermesse e curtimos no tradicional bar da Baden Baden, eu particularmente sou apaixonada pela cerveja deles.

Aliás, na manhã seguinte, pudemos apreciar o #CombinacomBaden, uma experiência sensorial em que você pode degustar a cerveja em combinação com um alimento.

Chocolate quente

No domingo tomei meu chocolate quente cremoso favorito no Montanhês, ao som de mais um concerto, só que dessa vez na Praça do Capivari.

Campso do Jordão1

Para fechar, uma subida ao Morro do Elefante de Teleférico e um almoço no também restaurante por quilo Rota 77.

Veja outros posts de viagem no Nah Estrada!

Viagem de carro de São Paulo a Curitiba

A minha ideia nessa viagem era comemorar o meu aniversário de namoro.  O lugar deveria ser fora de São Paulo, mas que fosse possível ir de carro e desse para conhecer em três dias. Após dar uma olhada no Google Maps, lembrei-me de Curitiba.

Conhecia a cidade de uma passagem relâmpago. Pois a minha viagem tinha como destino Santa Catarina, e decidi que precisava explorar melhor o local.

O caminho

Sai de São Paulo numa sexta-feira muito cedo para tentar fugir do trânsito. Mas ainda assim peguei um pouco de congestionamento na Marginal Tietê.

A estrada que vai de SP até Curitiba é a Régis Bittencourt, ela tem uns trechos bastante perigosos, principalmente pela grande quantidade de caminhões e por ser mão dupla.

Distância de São Paulo a Curitiba

Por isso, apesar de serem cerca de 400 km de distância entre as duas capitais, a viagem dura, em média, seis horas.

Pedágio

Os pedágios são baratos. Gastamos R$ 21,60 ida e volta, sim é mais barato do que ir até a Praia Grande.

Uma dica para quem quer viajar de carro é acessar o site Em Sampa, ele mostra a distância em quilômetros, o caminho e os preços de cada pedágio, e funciona mesmo, viu!?

Vantagem de ir de carro a Curitiba

blog

A vantagem de ir de carro, apesar de a viagem ser cansativa, é poder ter um meio de locomoção próprio por lá, que economiza tempo e pode te dar maior mobilidade pela cidade.

O que fazer em Curitiba?