O que fazer em Londres

O que fazer em Londres? Roteiro de 5 dias.

Nesse post, vou listar o que fazer em Londres, mostrando o que eu acho que sejam as principais atrações. Eu dividi por dias, pensando mais na distância entre os pontos e no tempo geralmente gasto em cada um deles.

A ideia é que o viajante possa montar o seu próprio roteiro de acordo com o que ele mais gosta de fazer.

No meu caso, meus primos moravam em Londres quando fui para lá. Então, os meus roteiros foram mais baseados no tempo que eu tinha sem eles e as atrações turísticas não foram visitadas de forma organizada.

Ah, quantos dias ficar em Londres? Não menos que cinco dias para uma primeira vez. Tem muita coisa para fazer!

O que fazer em Londres em 5 dias?

Dia 1

  • Admirar o Big Ben e o prédio do parlamento inglês.
  • Ter um momento religioso na Westminster Abbey. Para entrar só na igreja não precisa pagar.
  • Ver a troca da guarda no Bunckingham Palace. Confira a programação completa e os horários!
  • Passear pela Trafalgar Square e visitar a National Gallery. É de graça!
  • Andar ou só observar a London Eye. Para quem comprar online e com antecedência tem desconto.
  • Passear pela Southbank, às margens do Rio Tâmisa, da London Eye até a Ponte Waterloo.
  • Entrar na loja Harrods, ela é gigante e luxuosa. Talvez não dê para comprar nada, mas vale admirar.
  • Escolher visitar pelo menos um dos três museus de South Kensington: Victoria e Albert, Museu de História Natural ou o Museu de Ciências. Todos são free!
  • Fotografar o Royal Albert Hall e o Albert Memorial que são tributos ao Príncipe Albert, marido da rainha Victoria.
  • Relaxar e fazerum piquenique no Kensington Gardens – lado oeste do Hyde Park.

Dia 2

  • Conhecer a St. Pauls Cathedral – o local em que Charles e Diana se casaram.
  • Desbravar o Tate Modern, que é um espaço cultural bem legal com um restaurante com vista panorâmica da área financeira de Londres.
  • Visitar a Tower of London. Os barcos para lá saem do píer Bankside.
  • Pegar o barco com destino a Greenwich e conhecer o Old Royal Naval College, o National Maritime Museum, a Queen´s House e o Royal Observatory. Entrada gratuita!
  • Caminhar do Tate Modern até a Tower Bridge, admirando o Shakespeare´s Globe e a arquitetura dessa parte da cidade e depois atravessar a ponte.

Dia 3

  • Quer ver grafite? Vá à Brick Lane. O bairro é alternativo, tem muita arte a céu aberto e alguns brechós famosos. Outra opção famosa, é o Leake Street que fica embaixo da Waterloo Station.
  • Quer mercadão? Bora visitar o Mercado das Flores – Columbia Road Flower Market – e o Brick Lane Market aos domingos. O mercado mais antigo de Londres, o Spitalfields Market, funciona quase todos os dias, com exceção de  segunda e sábado.

Dia 4

  • Desbravar o British Museum que é gigante e gratuito.
  • Perca-se na Seven Dials, que é o encontro de sete ruas. a região tem muitos restaurantes, brechós, lojinhas e bares.
  • Faça compras durante o dia e aproveite as baladas durante à noite na região da Piccadilly Circus e na Oxford Street.

Dia 5

  • Por último, e nem de longe menos importante, vá obrigatoriamente à Camden Town. O meu lugar favorito de Londres. Lá tem muitas lojinhas, barraquinhas de comidas, pubs, incluindo o que a Amy Winehouse frequentava. Além da estátua da cantora.

Noite em Londres

Acabei participando de uma despedida de solteira em Londres de uma amiga dos meus primos. Fomos a uma balada na região da Piccadilly Circus, não pagamos para entrar, ficamos em um tipo camarote e era open bar.

No lugar que fui, as músicas eram bem legais, pop e hip hop famosos, e a decoração era estilo francês. A galera se pega pesado na casa noturna e acaba muito cedo, às 2h. Depois disso, há festas alternativas em bairros longe do centro que começam umas 3h e por aí vão.

Fui também há uma festa em Camden, na KOKO, que é uma casa de shows incrível. O edifício foi construído em 1900 e era um teatro. Lá eu curti um show do Criolo com uma energia bacana e um monte de brasileiros perdidos nesse mundão.

Assim, acaba meu primeiro mochilão pela Europa!

Saiba como se locomover em Londres!

Como ir de Amsterdam a Londres?

Como ir de Amsterdam para Londres?

O meio mais cômodo de ir de Amsterdam para Londres é o trem. O tempo de voo é curto, mas se for pensar no deslocamento até o aeroporto, check-in e embarque acaba não sendo tão fácil assim. A maneira mais econômica, mas que demora mais, é o ônibus. Vamos aos detalhes!

Avião

Há voos para os vários aeroportos de Londres e de diferentes companhias aéreas, como: KLM, British Airways, Flybe e EasyJet. Eles podem ser bem baratos, mas você tem que analisar que alguns ficam bem distantes do centro da cidade e o trem até chegar a sua hospedagem pode ser bem caro.

O tempo médio desse percurso é de 3h40. Sendo cerca de 1 hora de voo.

Trem

O trem sai da estação central de Amstedam e chega a estação London ST Pancras. A empresa que faz o percurso Amsterdam/Bruxelas é a Thalys, a segunda parte Bruxelas/Londres é feita pela Eurostar, mas você compra o ticket junto.

Comprando com antecedência, é bem mais barato. A viagem fica em torno de 56 euros na classe Comfort 2. O tempo do deslocamento é de quase 5 horas no total.

O trem tem wifi, tomadas e você pode levar duas bagagens.

Ônibus

O ônibus é aquela opção para quem tem tempo ou grana curta. Foi a escolhida por mim e não me arrependo!

Peguei um ônibus noturno, que é ainda mais barato, e foi uma experiência bem diferente. O veículo sai de Sloterdijk, que não dá nem cinco minutos de trem da estação central de Amsterdam, e  chega na Victoria Station, em Londres.

Duas curiosidades sobre a viagem que você precisa saber:

  • A primeira é que você atravessa o canal em um ferry chique. É preciso descer do ônibus e a embarcação é parecida com um navio de cruzeiro.
  • A segunda é que você precisa descer do ônibus de novo para fazer a imigração. Primeiro você registra sua saída da França e depois entra no Reino Unido. Leve seus documentos normais para imigração, eu só desci com o passaporte e mais nenhum comprovante. Foi bem tranquilo, mas acho que poderia não ter sido por não ter como provar minha volta ou estadia.

RESUMO DA MINHA VIAGEM

Empresa: Ouibus

Tempo de viagem: 9h50

Valor: 25 euros (vi que tem passagem por 20 euros)

Saída: Sloterdijk

Chegada: Victoria Station

O que fazer em Londres? Roteiro de 5 dias. 

Roteiro Amsterdam

O que fazer em Amsterdam: Roteiro de 2 dias

Não é muito difícil saber o que fazer em Amsterdam em 2 dias. As principais atrações podem ser visitadas tranquilamente nesse período.

Importante lembrar que eu considero os dois dias como sendo inteiros no local, sem os períodos de deslocamentos. Alugue a sua bicicleta e bora desbravar a capital da Holanda!

Café da Manhã

Se tem uma coisa que eu amava fazer na Europa era tomar café da manhã (e da tarde) . O fato de não ter essa refeição inclusa nas minhas hospedagens me fez conhecer algumas cafeterias deliciosas.

Em Amsterdam, eu tomei café na Coffe Company e na Nutella Ice Bakery – eu amo waffles e o desse lugar é muito bom. Recomendo!

Dia 1

Museumplain

Você pode começar o dia passeando pelo Vondelpark. O parque público é uma graça e, além de turistas, é um ponto bastante frequentado pelos locais.

Próximo passo, conhecer a Praça dos Museus e já garantir a sua foto no letreiro “I Amsterdam”. Em Museumplain, você pode visitar:

  • O Rijksmuseum é o Museu Nacional da Holanda. Ele guarda importantes obras e permite saber mais sobre a história artística e cultural do país. A principal atração é a Ronda Noturna, de Rembrant.
  • O Van Gogh Museum abriga a maior coleção do mundo dedicada ao artista.
  • Já o Stedelijk é dedicado às artes modernas e contemporâneas e ao design.

Se gostar de licores, vale visitar a House of Bols, the Cocktail & Genever Experience.

Leidseplein

A Leidseplein é uma praça bastante movimentada com cafés, restaurantes, pubs e coffeshops. Dá para aproveitar e almoçar por aqui. Eu particularmente comprei comida no mercado e fui comer em um parque. A essa altura da minha viagem a grana já estava bem curta.

Heineken experience

Eu amei fazer a Heineken Experience. Para mim, foi uma forma diferente de visitar uma empresa, fábrica e tal. Achei a experiência bastante completa com história, fabricação, patrocínios e cerveja, claro.

Principalmente na alta temporada, compre o ingresso antecipado pelo site ou em várias lojas espalhadas pela cidade.

No tour, é possível fazer uma degustação durante a visita e tomar dois chopes ao final. Além de alguns outros copos em uma espécie de aula de tirar chopp, com direito a certificado e tudo.

Bloemenmarket

Para continuar o roteiro, vamos imaginar que você ainda esteja bem depois de beber e que vá entre abril e outubro a Amsterdam. Nessa época do ano, escurece bem mais tarde e o Mercado das Flores fica aberto até às 19h.

No meu caso, eu fui ao Burguer King que tem próximo ao mercado para comer um lanche e fazer passar o efeito do Heineken Experience.

No Bloemenmarket são vendidas tulipas, bulbos de flores e sementes, inclusive de Cannabis. Além de souvenires como abridor de garrafas, imãs de geladeira, queijos, roupas, pirulito de maconha e muito mais. Fiquei lesada só de entrar em uma loja de lá chamada The Magic Mushroom Gallery.

Dia 2

Anne Frank Huis

Para visitar a Casa da Anne Frank, recomendo fortemente comprar o ingresso pela internet com uma antecedência considerável. As filas da bilheteria são enormes, há horários exclusivos para os visitantes com tickets online e os bilhetes se esgotam rapidamente. Fique atento!

Próximo a casa, há um monumento a Anne Frank e a Westerkerk – maior igreja protestante da Holanda.

Begijnhof

Quer conhecer uma espécie de Jardim Secreto de Amsterdam? Visite o Begijnhof. Ele fica bem escondido, em uma entrada discreta. Mas em seu interior há um pátio medieval com casas ao redor uma charmosa igreja.

Compras – Kalverstraat

Próximo a Begijnhof fica o Kalverstraat, o calçadão e seus arredores reúnem muitas lojas e é o ponto alto para quem gosta de fazer compras.

coração de amsterdam

Subindo até o final da Kalverstraat, você chega ao Palácio Real de Amsterdam. Próximo a ele, estão o Nieuwe Kerk, que é um templo religioso, a Praça Dam  com o Monumento Nacional e o Museu de Cera Madame Tussauds de Amsterdam.

Red Light District

Você pode seguir a Damstraat e depois subir pelo canal até a De Oude Kerk. No caminho, há coffeshops, inclusive o primeiro e mais famoso deles, o Bulldog.

Passeie pelas ruazinhas do bairro e se depare com as famosas vitrines com prostitutas. Elas ficam com roupas provocantes e é proibido fotografá-las.

Na Oudezijds Achterburgwal fica o Museu da Maconha, locais para quem quer assistir Sexo ao Vivo, o Museu da Prostituição e o Museu do Sexo. Coloque seus puderes de lado e desbrave a região.

Noite em Amsterdam

A noite em Amsterdam é bastante agitada. Há bares, coffeshops, casas noturnas e eventos culturais. Os bairros que reúnem a maior parte deles são o Jordaan, o Pijp, o Red Light e o Leidseplein.

Saiba onde se hospedar em Amsterdam!

Noite em Paris

O que fazer à noite em Paris?

Poderia ter feito um post detalhado sobre o que fazer à noite em Paris? Poderia, pois opções não faltam. Porém, eu estava com pessoas que viviam na cidade e sem celular (geralmente tiro fotos para mapear os lugares que visito). Então, não guardei os nomes dos lugares em que fui.

Cafés

Nos posts que fiz sobre o roteiro de viagem de Paris acabei citando alguns bairros com indicação de cafés. Em Paris, os cafés também são bares e reúnem as pessoas até mais ou menos 1 hora da manhã.

Torre Eiffel

A torre é linda à noite. Você pode em tempos mais quentes fazer um piquenique nos gramados entornos do monumento regado a bons drinks e ótimas companhias. Dei algumas dicas em um outro post.

Praça da República e da Bastilha

A Praça da República é o local em que os parisienses geralmente fazem os seus protestos. Passei pelo local à noite e haviam manifestantes por lá.

Nas ruas ao redor da praça, há restaurantes, teatros e cafés. Em uma dessas ruas, fica o famoso Bataclan, conhecido pelo ataque terrorista de 2015.

A Praça da Bastilha também é palco de eventos e protestos. No bairro, há muitas opções para curtir a noite: restaurantes, bares e bistrôs. A região tem uma vida noturna que atrai os jovens e é mais cool.

Marais e Montmartre

Marais e Montmartre também são bairros que tem muitas opções para quem quer aproveitar para comer, beber, dançar e se divertir.

Em Montmartre, na avenida em que fica o Moulin Rouge, há opções de bares, sex shops e casas noturnas.

Fui a uma festa paraense próximo a Praça Pigalle que também tocou samba com uma banda de integrantes de diferentes partes do mundo, nem a cantora era brasileira.

Estava lotado e foi bem legal, melhor ainda pois estava com duas pessoas de Belém. Porém, acabou às 2h. Acho que é padrão acabar cedo. Foi nesse dia que me dei mal voltando para casa de metrô. Melhor se atentar a isso!

Como andar de metrô em Paris!

Onde se hospedar em Paris! 

Roteiro de viagem de Paris!

Roteiro de Paris

Roteiro de Viagem de Paris: Dia 4 (Arco do Triunfo, Montmartre e Champs-Elysées)

Esse roteiro de viagem de Paris só tem 4 dias, pois a maioria das pessoas passam cinco dias na cidade – contando os dias de chegada e partida que são quase perdidos. Eu acho que esse é o tempo mínimo para visitar Paris.

Montmartre

Você pode começar descendo na estação Pigalle do metrô e andar pela Boulevard de Clichy até o cabaré mais famoso do mundo: o Moulin Rouge. O caminho é cheio de sex shops, bares e boates.

Suba a Rue Lepic e chegue ao café  do filme da Amélie Poulain, o Le Deux Moulins. A região é bastante charmosa e vale um passeio pelas suas ruazinhas.

Depois vire na Rue des Abbesses e admire o bairro até chegar na Place Abbesses. Ali fica o famoso Le Mur des Je t’Aime, o Muro do Eu Te Amo. Nele a frase é escrita em diferentes línguas.

Prepare-se para a subida! Ouvi dizer que há um bondinho que vai até a Sacré-Coeur, mas eu subi foi na pernada mesmo. Fui seguindo para cima do morro em uma escadaria.

Cheguei num ponto em que há várias lojinhas de souvenires, artistas de rua, restaurantes e cafés. Muito legal dar uma passeada por ali e comer um crepe.

Andei rumo a Sacré-Coeur, visitei a igreja, que é bem bonita por sinal e depois fiquei com meus amigos observando a vista de Paris nas escadarias. Se tiver um tempo, curta esse momento com um pouco de tranquilidade. Vale a pena!

Arco do Triunfo

As linhas de metrô que que chegam ao Arco do Triunfo são as 1, 2 e 6 e a estação para desembarque é a Charles de Gaulle – Etoile.

A estrutura é um dos monumentos turísticos mais famosos de Paris e, por isso, bem cheia. O Arc de Triomphe representa o patriotismo francês e foi construído a pedido de Napoleão Bonaparte.

A área externa ilustra, por meio da arte, histórias de lutas e conquistas da França. No interior, há documentos e objetos que contam a história da construção do monumento.

Champs-Elysées

Para finalizar, desça a Champs-Elysées. A avenida reúne várias lojas e não são só as de grife super caras. Então, dá para tentar fazer alguma comprinha. A via é bem bonita e bastante movimentada.

Confira os outros dias do roteiro de viagem de Paris! 

Saiba como andar de metrô em Paris!

Roteiro de Paris

Roteiro de 4 dias em Paris: Dia 2 (Cafés, Museus e Torre Eiffel)

Como já mencionei algumas vezes, esse negócio de traçar roteiro de 4 dias em Paris é mais uma sugestão de lugares para visitar. Você pode montar seu mapa no Google Maps e ver a rota que preferir.

Outra coisa importante para saber, é que visitar os mesmos lugares em momentos diferentes do dia, podem trazer experiências completamente diferentes.

LE BON MARCHÉ

Quer fazer um passeio parisiense? Visite a Capela de Nossa Senhora da Rue du Bac, coma alguma coisa na Grande Épicerie de Paris e passeie pelo Le Bon Marché.

O Le Bon Marché é uma loja de departamento sofisticada que reúne moda, design, beleza e gastronomia. Confira o horário de abertura. O Grande Épicerie reúne uma grande variedade de alimentos.

Saint-Germain-des-Prés

O bairro que era um antigo reduto de boêmios, intelectuais e famosos atrai turistas e parisienses. Os frequentadores costumam passar longos momentos em seus cafés, observando o movimento das ruas.

Há ainda livrarias, jardins, galerias de artes, igrejas e lojas de alta costura. Na Place Saint-Germain-des-Prés estão as atrações mais famosas: o Café de Flore, o Les Deux Magots e a Église Saint-Germain-des-Prés. 

Museu d´Orsay

O Museu fica em uma antiga estação de trem e abriga obras de consagrados artistas. Entre elas estão: O Autorretrato, de Van Gogh, as Coquelicots, de Claude Monet, L’homme qui marche, de Auguste Rodin e La Danse, de Jean-Baptiste Carpeaux.

É possível comprar o ingresso da atração em conjunto com dois outros museus: o Orangerie e o Rodin. Os bilhetes não precisam ser usados no mesmo dia. O D´Orsay não abre de segunda-feira, mas fica até mais tarde na quinta. Confira!

Você estará às margens do rio Sena e pode observar a paisagem do outro lado do rio que conta com o Louvre, o Jardin des Tuileries e a Praça da Concórdia.

Museu das armas (Invalides)

O Museu das Armas é um ponto bastante interessante para quem gosta de artigos de guerra e principalmente para aqueles que querem saber mais e apreciar objetos do Napoleão Bonaparte.

Próximo a ele está o Museu Rodin e na frente é possível admirar a Ponte Alexandre III.

Museu do Quai Branly – Jacques Chirac

Os museus que eu sugeri aqui são diferentes uns dos outros. O que é bom para você escolher o que gostaria de visitar ou ir a todos sem ver as mesmas coisas.

O Museu do Quai Branly tem uma arquitetura interessante, um jardim externo e  obras que retratam civilizações antigas não-europeias. Como, por exemplo, a pré-Colombiana.

Torre Eiffel

Bem-vinda a atração mais mágica de Paris! Propositalmente, ela está no fim da tarde, pois como o tempo é curto, você pode aproveitá-la em dois momentos: de dia e à noite.

Se a intenção for subir na torre, recomendo fortemente que faça a compra antecipada do bilhete. As filas geralmente são bastante extensas e você vai economizar um tempão.

No interior do monumento há cafés, lojas de souvenires e o famoso restaurante Le Jules Verne. Ao seu redor, o que faz sucesso mesmo são os crepes.

Foi no Champ de Mars, que é o jardim que fica em frente a Torre, que eu vivi um dos momentos mais marcantes da minha estada em Paris. Eu e dois amigos fomos a um mercadinho próximo, compramos vinhos, queijo e pão, e passamos boas horas naquele gramado.

Durante a noite, a Torre Eiffel promove um espetáculo de luzes a cada uma hora. É incrível!

Uma das melhores vistas da Torre Eiffel é da Praça do Trocadero.

Dicas para o piquenique em paris:

  • Vá ao mercado, pois alguns ambulantes passam vendendo as bebidas e são bem mais caras.
  • Sempre carregue uma canga com você.
  • Leve um kit de talheres de plásticos de acampamento que vende, por exemplo, na Decathlon.
  • Compre um saca-rolhas. Você vai até fazer amizades por ter um.

Saiba aonde se hospedar em Paris!

Confira o primeiro dia do roteiro de viagem de Paris.

Roteiro de Viagem de Paris: Dia 3 (Louvre, Moda E Palácios)

Roteiro de Viagem de Paris: dia 4 (Arco Do Triunfo, Montmartre E Champs-Elysées)

Como andar de metrô em Paris? 

Roteiro de Paris

Roteiro de 4 dias em Paris: Dia 1 (Notre-Dame e Marais)

O meu roteiro de 4 dias em Paris, para variar, está ligado a localização da minha hospedagem. Ele foi feito na maior parte do tempo a pé. Sempre recomendo colocar as localizações no Google Maps e criar o seu próprio trajeto de acordo com as atrações que curte, tempo de viagem, prioridade e por aí vai.

Manhã dos locais

Você pode começar o dia tomando um café da manhã no Square Saint-Médard se estiver próximo a ele ou em algum outro bairro menos turístico. Já para mergulhar no clima real parisiense.

Próxima parada, Jardim de Luxemburgo. O parque é bem bonito e fui andando facilmente até ele. Depois, você pode ir em direção a Ilê de la Cité que é onde fica Catedral de Notre-Dame.

Ilê de la Cité

Antes de atravessar a ponte Saint-Michel para acessar a ilha, visite a livraria Shakespeare & Company. Ela é muito fofinha, com uma vibe incrível, retrô e aconchegante. Desbrave a área interna do local e se encante a cada cômodo.

A catedral é maravilhosa por dentro e por fora. A visita a área religiosa é gratuita, porém acredito que vale muito a pena encarar a escadaria de pedras e ir ao topo da torre. Além da vista, há os animais esculpidos e o sino.

Geralmente a fila para comprar os ingressos é imensa, porém quando fui fiquei cerca de 20 minutos e já consegui subir. Tente comprar o bilhete antecipadamente pelo site para não perder muito tempo da viagem aqui.

Ilê Saint Louis

Atravesse a ponte Saint-Louis e chegue à Ilê Saint Louis. Nessa ilha fica a sorveteria mais famosa de Paris, a Berthillon. Além de apreciar as receitas familiares do local, vale passear pela pequena ilha e observar seus hotéis, padarias, residências e sua igrejinha. Antes de ir, veja se o estabelecimento está aberto pelo site.

Marais

Comece o passeio por Marais pela Place des Vosges. É uma das praças mais antigas de Paris. Ao seu redor estão edifícios clássicos, galerias de arte, o Museu do Victor Hugo e até uma sinagoga.

Há ainda dois museus bastante importantes para o país nas redondezas: o Museu Nacional Picasso e o Centre Pompiou.

O bairro em si é um ponto com muitas lojas bacanas, diferentes, restaurantes, bares e casas noturnas, muitos deles dedicados a comunidade gay. Vale passear por suas ruas e quem sabe curtir a noite de Paris por lá.

Saiba aonde se hospedar em Paris!

Confira o segundo dia do roteiro de viagem de Paris.

Hospedagem em Paris

Onde se hospedar em Paris?

A dica que eu posso dar de onde se hospedar em Paris é de região. Aluguei o apê do namorado da minha amiga. Ele era bastante pequeno, tipo um quarto e um banheiro. Ficava no último andar de um prédio.

Assim como esse, há algumas opções parecidas no AirBnb e outros tipos de hospedagem no Booking.com.

Gostei bastante do bairro que deve ser ótimo para morar. Não estava no centro, mas tinha fácil acesso a várias atrações parisienses e ainda cafés, bares, restaurantes e mercadinhos nas redondezas. Ficava na Boulevard de Port-Royal e era mais local do que turística.

Square Saint-Médard

O lugar que eu mais amei próximo ao apartamento foi o Square Saint-Médard. Disseram que é um bairro bastante típico. As ruas são de paralelepípedo. Tem feira livre, cafés clássicos, comidas francesas e de vários outros países.

Comi um kebab muito gostoso, esse, segundo meus amigos, era um jeito de saber como é ser pobre em Paris.

Aliás, a comida é bastante cara na cidade, mas eu fazia questão de tomar meu café com leite com croissant – na verdade um tradicional e outro com chocolate – pela manhã. O Le Café Parisien era mais em conta do que os outros da região e foi a minha escolha.

Regiões para se hospedar em Paris

Como o transporte público é bastante bom, acredito que você possa se hospedar em vários locais da cidade. Principalmente se quiser economizar. Porém, as áreas mais comuns e próximas às atrações principais são:

1º arrondissement: centro da cidade. Dá para ir a pé às várias atrações turísticas, como: o Louvre, o Palais Royalle, a Avenida Champs-Élysées e o Arco do Triunfo.

3º Arrondissement: Marais. Fica próximo aos museus Picasso e Cavalet. O bairro tem várias lojinhas bacanas e noite agitada.

7º Arrondissement: Torre Eiffel. As hospedagens são bastante caras por aqui. Visto que não tem nada mais nada menos do que a atração mais famosa de Paris.

8º Arrondissement: Champs-Elysées. Para quem quer ficar perto das lojas famosas, do Arco do Triunfo e dos restaurantes renomados.

Dicas de como andar de metrô em Paris.

Andar de metro em Paris

Como andar de metrô em Paris?

Foi fácil aprender a andar de metrô em Paris. Muito pelo fato de eu ter uma amiga que foi me buscar na estação de trem, me ajudou com a máquina de comprar bilhete e já me deu um mapa do metrô.

O sistema de transporte público de Paris é bastante eficiente. A malha do metrô é abrangente e você deve encontrar facilmente uma estação próxima em qualquer ponto da cidade.

Sim, ele é cheio, tem umas pessoas estranhas e algumas vezes é sujo.  Na madrugada vi uma galera bem louca. Uma adolescente quase vomitou em mim.

Lembre-se sempre de ficar esperto com os batedores de carteira, tão comuns pela Europa.

Mapa do metrô

Pegar o mapa do metrô já é uma ótima dica. Ele pode ser encontrado em uma versão de bolso nas estações e é gratuito. Peça o “plan du metro”, caso não estiver visível no balcão de informação.

Você pode até ter as direções na internet, apps e tal, mas nunca se sabe quando vai ficar sem bateria, por exemplo, e aí pode dar ruim. Clique aqui para acessar a versão em pdf do mapa!

Nas entradas do metrô também há sempre aqueles mapas grandes em que você pode se localizar com maior facilidade.

Como comprar o bilhete

Até existem as cabines em que você compra os bilhetes com os atendentes, mas eu particularmente sempre prefiro as máquinas. Talvez por poder escolher a linguagem. Não falo nada de francês. Elas aceitam cartões e moedas.

O esquema de cobrança, como em muitos lugares da Europa, é por zona. Basicamente você só vai usar o ticket T+ que vai até a zona 2 – serve para o ônibus e o RER também.

Escolha o bilhete que mais atende as suas necessidades –  com 1, 10 ou viagens ilimitadas. Faça as contas.  Há tíquetes exclusivos para ir ao aeroporto. Eles são mais caros do que os tradicionais.

No metrô

Se o bilhete for de papel, é só inserir no lugar destinado a ele e depois pegá-lo de volta na parte de cima da catraca. O cartão, é só aproximá-lo no sensor.

Sempre guarde o seu bilhete até o final da viagem.

Muitas pessoas não pagam para andar de transporte público em Paris. Pulam a catraca, passam por baixo, entram junto com alguém que tem bilhete. Fazem isso tipo na frente dos funcionários do metrô.

Um francês me contou que no caso dele, fazia isso, pois acreditava que o governo era rico e não deveria pagar pelo transporte público. Mas você corre o risco de ter que mostrar o bilhete e se não estiver com ele, pagará uma multa.

Para falar a verdade, eu andei várias vezes sem pagar, mas não recomendo. É extremamente arriscado.

Horário de funcionamento do metrô de Paris

Um fato para se prestar atenção é o horário de funcionamento do metrô. Ele abre cerca de 5h30 e geralmente fecha às 1h. Sextas, sábados e feriados vai até às 2h.

Onde está o problema? O horário de encerramento é quando ele chega na estação final. Ou seja, tem que se programar e não dá para pegar a composição das 1h55 e achar que vai chegar de boa ao seu destino.

Fiquei sabendo disso da pior maneira. Fui fazer a baldeação e os funcionários do metrô pediram que eu saísse da estação, pois ela iria fechar. Estava longe da minha hospedagem, sem celular, em um local deserto.

Tive que andar bastante de madrugada pelas ruas de Paris até achar um táxi. Gastei 20 euros para atravessar a cidade, dando ao motorista o nome da estação de metrô que eu deveria descer como destino.

O que eu descobri depois? Que quando o metrô fecha, há ônibus que fazem o trajeto dele. Ninguém na estação me falou isso.

Saiba aonde é melhor se hospedar em Paris!

De Paris a Milão

Como ir de Milão a Paris?

Há várias maneiras para ir de Milão a Paris: avião, trem, trem noturno, carro e ônibus. Os valores oscilam de acordo com a antecedência de compra, como já comentei em outros posts, mas são bem parecidos.

Trem

Optei por ir de trem e achei bastante tranquilo. Além de ter umas paisagens lindas pelo trajeto. Por isso, é a opção que indico!

Para economizar e ter mais tempo em Paris, comprei o do primeiro horário: 6h. Fui do hostel até o a estação Milano Porta Garibaldi de táxi por ser bastante cedo e  ainda estar escuro. Cheguei na Paris Gary de Lion que tem estação de metrô.

Existem um trem noturno que dura cerca de 10 horas de viagem, mas não consegui achá-lo para comprar via internet.

RESUMO DA MINHA VIAGEM

Empresa: SNCF

Tempo de viagem: 7h19

Valor: 47 euros

Saída: Milano Porta Garibaldi

Chegada: Paris Gary de Lion

Atenção: Durante a viagem passamos por uma espécie de imigração ao entrar na França. Por isso, mantenha seu passaporte a mão. Policiais entraram na composição, pediram documentos e fizeram perguntas.

Avião

O tempo de voo em si é curto: cerca de 1h20. Porém, se você contar o deslocamento até o aeroporto, check in, despachar mala e espera, não economiza tanto tempo assim. Talvez gaste cerca de 5 horas no processo inteiro. Se tem milhas pode ser uma boa.

Ônibus e carro

O pior de ir de ônibus é encarar cerca de 15 horas de estrada. O valor é menor, mas nem tanto assim, uns 30 euros. O carro é bom por poder conhecer outras cidades e fazer paradas no caminho. O tempo corrido é de cerca de 8h30.

Bon Voyage!