Eurotrip: O que levar na mala na primavera?

Arrumar a mala para uma viagem pela Europa no começo da primavera foi um grande desafio. Há a variação de temperaturas, por ser uma época transitória,  em um único dia/lugar e entre as cidades e os países pelos quais você passa.

Eu fui a Portugal, Espanha, Itália, França, Holanda e Inglaterra. Durante março e abril por cerca de 40 dias.

O clima que peguei durante meu mochilão foi de sol, mas não calor, com um vento gelado e alguns dias chuvosos. Mesmo assim, dá para levar pouca coisa.

Veja algumas dicas:

  • Esqueça os mil looks e trocas de roupas.
  • Não ligue por parecer estar sempre com a mesma roupa nas fotos. Você não deve nada para ninguém.
  • Aposte nas cores básicas para combinar com tudo.
  • Pense no que vai ter que carregar e as restrições de peso e tamanho de bagagem que você pode ter que se submeter.
  • Separe todas as roupas que quer levar e tire uma boa parte delas depois.
  • Leve peças para uma semana econômica de trocas.
  • Se precisar, pense que pode lavar as roupas. Têm muitas lavandarias em todos os países que passei.
  • Pense em roupas para fazer aquele efeito cebola: camiseta, blusinha e casaco. Segunda pele ou meia-calça e calça jeans. São só exemplos.
  • Leve só o básico entre cremes e maquiagens. Tipo o básico mesmo eles pesam e ocupam muito espaço. Coloque-os em embalagens pequenas. Achei nas Lojas Americanas.

Acho que levei poucas coisas, mas mesmo assim vi que poderia ter levado menos ainda.

A mala que eu acho ideal hoje é:

  • 3 calças: legging e jeans para ser coringa.
  • Aquele conjunto de blusa e calça que são segunda pele. Eu usava a minha segunda pele como única calça às vezes. Só levei duas normais e acho que essa é uma opção também. Na parte de cima, às vezes colocava uma camiseta sobreposta para mudar o visual. Ah, vende na Decathlon.
  • 5 camisetas manga curta e 1 longa (talvez aqui ainda seja muito).
  • 2 malhas.
  • 1 blusa levinha, tipo uma camisa jeans ou algo assim.
  • 1 jaqueta (Fiquei 40 dias e levei 2 – uma delas aquelas compactas que não passa o vento)
  • 1 chinelo.
  • 1 tênis bem confortável.
  • 1 bota confortável e básica. Levei uma sapatilha que não usei e acredito que mesmo que você vá para balada pode compor um look com a bota e dispensar carregar um salto na mala.
  • Meias do jeito que gostar de usar. Umas quentes e outras nem tanto. Uma meia calça é bom também.
  • Roupa íntima.
  • 1 touca (se gostar)
  • 1 luva (vai que)
  • 1 cachecol (dois no máximo, um mais fino e outro mais grossinho).
  • Se for ficar em um lugar que não ofereça, toalhas compactas e de alta absorção.
  • Pode levar uma roupa para sair, tipo de balada, se for se sentir melhor. risos
  • Uma capa de chuva ou guarda-chuva pode ser necessário.

Veja o roteiro do meu mochilão pela Europa!

Imigração na Espanha

A imigração na Espanha ainda assusta muitos brasileiros. É que por um longo período no Aeroporto de Barajas, em Madrid, de jovens a velhinhos passaram pela possibilidade da temida deportação.

Uma amiga ficou seis horas sendo entrevistada na salinha e só conseguiu entrar por mostrar seu holerite e provar que tinha um trabalho no Brasil e estava de férias.

Porém, em 2012, Brasil e Espanha firmaram um acordo para facilitar o intercâmbio de turistas entre os países.

Eu escolhi entrar na Europa por Madrid por causa do dinheiro mesmo, as passagens que faziam escalas lá eram mais baratas e em época de crise não dá para desperdiçar grana por um trauma que nem era meu.

Documentos para entrar na europa

Decisão tomada, hora de não ir despreparada e deixar todos os documentos, comprovantes, passagens, reservas e extratos impressos e bem organizados numa pasta. Afinal, eu estava colocando 40 dias na Europa em jogo.

Não contei com o celular, pois uma vez em Nova York tive problemas com a internet e não conseguia mostrar a minha passagem e entrei um pouco em desespero. Vai à moda antiga mesmo!

O que você precisa para entrar na Europa, no caso dos países que fazem parte do Espaço de Schengen*:

  • Passaporte válido por três meses após a sua data de saída da Europa.
  • Passagem de volta.
  • Reserva de hospedagem ou carta-convite (mais explicação abaixo) se for ficar na casa de alguém.
  • Seguro-viagem com cobertura de 30 mil euros. (O blog tem parceria e cupom de desconto da Mondial). Só clicar no link ou no banner ao lado.
  • Dinheiro, em espécie ou um extrato comprovando que você tenha 65 euros por dia e por pessoa para se manter.

O que não é preciso

O que você NÃO precisa para entrar na Europa, no caso dos países que fazem parte do Espaço de Schengen*:

  • Vacinas.
  • Visto por três meses, a cada seis meses.

O que precisa ter na sua carta-convite?

  • Endereço do local onde irá ficar.
  • O documento de identidade da pessoa que irá te receber.
  • Nome e número do passaporte do viajante.
  • Uma explicação simples e rápida do anfitrião que você vai ficar na casa dele por X dias.
  • Assinatura.

A imigração é feita no primeiro lugar que você desce dentro da União-Européia. 

A sua mala vai direto para o destino final, quando não é extraviada, mais ou menos meu caso na volta.

*Os países que fazem parte do Espaço de Schengen são: Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Finlândia, França, Grécia, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Áustria, Portugal, Espanha, Suécia, República Tcheca, Estônia, Letônia, Lituânia, Hungria, Malta, Polônia, Eslovênia, Eslováquia, Liechtenstein, Suíça e Países Baixos.

Ah, a minha imigração!

Estava tensa, apesar da minha pastinha estar totalmente preparada, e tinha poucos minutos para pegar o meu próximo voo que iria para Lisboa.

Não sei se foi o tempo curto e minha cara de estou correndo, mas foi bem tranquilo. O agente me perguntou quanto tempo iria ficar, o que iria fazer e tive que mostrar minha passagem de volta. Depois, carimbo no passaporte e bora ser feliz!

Saiba o que fazer na Europa, roteiros e mais dicas de viagem!

Bate e volta: Nova York-Filadélfia

Dá tranquilamente para fazer um bate e volta de Nova York para a Filadélfia.

Transporte

Você pode ir de Amtrak que é mais caro ou pagar US$ 5 o trecho e ir de ônibus, que não é tão confortável que nem o trem, mas tem tomada, banheiro e wi-fi.

A empresa é a Megabus. Comprei a passagem pelo site, mas dá para comprar na hora, na volta quis pegar um ônibus mais cedo e eles me fizeram pagar a passagem novamente.

O que fazer na Filadélfia?

Ir à Filadélfia é muito parecer estar no passado, pensar que todos aqueles personagens que você viu as crianças encenando sobre o 4 de julho em milhares de filmes americanos viveram por lá.

Para já entrar no clima, vá ao Independence National Historical Park. O lugar é importante para a história dos Estados Unidos. Ali fica a Independence Hall, onde a Constituição e a Declaração de Independência do país foram escritas.        

Independence_hall                           

Tem um mini museu onde eles guardam o sino em que foi anunciada a independência, prédios que foram da presidência, pois lá foi a primeira capital do país. É preciso até que passar por detectores de metal e raio-x para entrar nesses lugares.

Comer na Filadélfia

De lá é possível ir andando até o Reading Terminal Market que é sensacional. O mercado funciona no mesmo local desde 1892 e têm comidas bem gostosas e baratas. O sorvete Basset´s, por exemplo, tem seu balcão lá desde a inauguração.

De quarta a sábado, os amishes levam suas guloseimas para vender no mercado. Eu comi a tradicional Apple Pie.

Passeio pelo centro

Mais adiante está a Philadelphia City Hall, o prédio da prefeitura da Filadélfia, ele tem uma arquitetura bem bonita. Próximo ainda tem o Masonic Temple, o maior templo mansônico do mundo, que tem visitas guiadas e pagas.

Andando mais um pouquinho, você chega no Love Park, que tem uma réplica da escultura de Robert Indiana. Dali você avista a Benjamin Franklin Parkway que é a rua que te leva até os museus.

Caminho para os museus

No caminho está a Basílica de Peter e Paul que tem um espaço reservado para os fieis amarrarem fitas com seus pedidos.

Logo a frente está a biblioteca da Filadélfia e o The Franklin Institute.

Mais a frente está o Museu dedicado ao Rodin, com a maior coleção de originais do artista. As obras eram de uma coleção particular e foram doadas para o Estado. O ingresso tem valor sugerido, então você paga quanto puder.

Rocky Balboa

Seguindo a Benjamin Franklin Parkway você chega no principal museu da cidade, que guarda o maior acervo de arte dos Estados Unidos, o Museu de Arte da Filadélfia. Mas o que a galera curte mesmo nele é subir suas escadarias.

Rocky Balboa

O local ficou famoso por ser cenário do filme Rocky, um lutador. Impressionante, mas todo mundo sobe as escadas correndo, cantando a música do filme e quando chega levanta as mãos em sinal de vitória.

Ao lado do museu há uma estátua de bronze do Rocky Balboa.

Agora, se você ainda tiver disposição, pode seguir às margens do Schuylkill até chegar ao ponto para pegar o ônibus de volta, que fica bem perto da estação do Amtrak.

Quer passear por Nova York? Veja as dicas do Nah Estrada! 

Compras na Outlet em New Jersey

Não está fácil para os brasileiros que viajam para os Estados Unidos, principalmente para aqueles que já estavam acostumados, fazer compras com o real tão desvalorizado.

Uma solução bacana é ir à Outlet Jersey Gardens que fica na cidade de Elizabeth.

Os preços são mais em conta do que em NYC, tem promoções e descontos legais, há bastante opções de lojas, o imposto é mais baixo e fica a cerca de 30 minutos de Manhattan.

Como ir de Manhattan à outlet em New Jersey

O ônibus para a outlet sai do Port Authority. Procure o portão da empresa NJ Transit que sai da rodoviária na 42, a linha do ônibus é a 111. Compre já o bilhete de ida e volta, que custa cerca de US$ 13. Olha aqui os horários.

Horários de funcionamento

Confira também as lojas e os horários de funcionamento da outlet. As pessoas costumam levar malas de viagem vazias para colocar as compras.

Palace - Gossip Girl

Roteiro Gossip Girl em Nova York

Assumo, sou fã de Gossip Girl e não poderia ir à NYC sem visitar os lugares que meus personagens favoritos viveram os seus conflitos e amores.

  • The Empire Hotel: hotel do Chuck.
  • Lotte New York Palace: hotel do pai do Chuck em que Serena e sua família viveram por um tempo.
  • Dylan´s Candy Bar: loja de doces que o Dan e a Vanessa passearam em um dos episódios.
  • Museum of the City of New York: local que servia de cenário para a Constance.
  • The Metropolitan Museum of Art: escadaria que a Blair dominava em seus tempos de colégio.
  • NYU: universidade que o Dan, a Blair e a Vanessa estudaram.
  • Central Park: o lago com os patos que a Blair gostava de alimentar e o que tem os barquinhos. Os cenários de festas e inclusive do casamento da Blair e do Chuck.
  • Empire State: onde o Chuck e a Blair se desencontraram.
  • Times Square: o telão que a Serena apareceu em uma de suas cenas românticas.
  • Dumbo: bairro do Brooklyn que o Dan morava.
  • Upper East Side: ande, ande e ande por lá.

Enfim, uma boa parte de NYC serviu de cenário para a série e se você é fã, vai reconhecer cada parte dela.

Roosevelt Island

Rockefeller Center e Roosevelt Island

Antes de mais nada eu queria compartilhar não uma, mas duas experiências muito legais e inesquecíveis que eu tive nessa região de Nova York.

Vi o Papa e o Obama em Nova York

A primeira é que quando estava visitando a loja da Apple notei uma movimentação muito estranha, várias equipes de TVs, e decidi ver o que estava acontecendo. Nada mais, nada menos que o Papa iria passar por ali.

Para em NYCEle celebraria uma missa na St Patricks Cathedral que fica naquela mesma rua e vale a visita por ser bem bonita. Consegui ficar em frente a grade de proteção e o fofo do Francisco passou assim na minha frente, foi rápido, mas foi lindo.

O mais bizarro é que quando descobri que ele estaria em NYC eu praticamente tentei fazer um roteiro para não encontrá-lo, pensando na quantidade de pessoas que estariam atrás dele, além dos bloqueios e lugares que poderiam fechar.

Em um outro dia, atrás da Catedral, eu estava para atravessar a rua quando colocaram uma grade na minha frente, de repente começaram a passar muitos carros com chefes de Estado, entre eles, o Obama, pois estava rolando uma reunião da ONU. Muitas emoções!

Rockefeller Center

Voltando para os lugares que merecem uma visita em Nova York, está o Rockefeller Center. A praça que fica em frente já é bem legal, com bandeiras de vários países, flores e fontes. Dentro do prédio, no seu topo, está uma vista MA-RA-VI-LHO-SA da cidade. Perfeita para curtir o pôr-do-sol.Top of The Rock

Próximo ao Top of The Rock está o Radio City Music Hall, uma casa de shows que rola inclusive o VMA. Tem tour interno, mas não sei os dias.

Roosevelt Island

Um passeio não muito comum, mas que é bem legal e tem uma vista bacana de NYC, é o de bondinho para a Roosevelt Island.

Ele sai da 59th com a primeira avenida e vai paralelo a Queensboro Bridge. É um transporte público e você pode usar o Metrocard para embarcar.

Mais surpresas e locais especiais em NYC!

Times Square e lojas famosas de NYC

A Times Square é tudo o que você vê nos filmes. Lotada de turistas, muitos deles brasileiros, luzes, lojas gigantes e lindas, telões eletrônicos, cafés, restaurantes.

Vale, para variar, andar e ir descobrindo tudo.

Na 8th Avenida tem um Shake Shack que uma hamburgueria mega popular e lotada e a filial da Carlo´s Bakery, do Cake Boss.

A maioria das lojas famosas estão nessa região, mas algumas não, independente disso, vou listar todas aqui.

  • Toys “R” Us é uma loja de brinquedos que tem uma roda gigante, uma casa da Barbie e até um Tiranossauro Rex.
  • A Disney Store é muito fofa com alguns brinquedos e roupas que são lançamentos.
  • M&Ms World para se jogar no mundo dos M&Ms.
  • Dylan´s Candy Bar é uma loja de doces grande e deliciosos. No andar superior rola um restaurante lindo, lindo e lindo. Tomei sorvete de bolo de aniversário e era uma delícia.
  • Apple Store quem é apple maníaco precisa visitar essa loja. A entrada já é super legal e tem tudo da marca.
  • The Lego Store na minha opinião não é tão sensacional, mas quem gosta de Lego não pode deixar de visitar e tem um dia que as crianças podem montar mini legos e depois levá-los para casa.

Atrações no Soho, no Village e no Chelsea

Ande muito por esses lugares, descubra as galerias de arte do Soho, as casinhas do Village, as comidinhas do Chelsea e se apaixone por tudo.

Chelsea

Em um dos dias que fui, era um sábado, estavam rolando várias feirinhas gastronômicas nas ruas e avenidas do Chelsea.

Uma das principais atrações do bairro é o Chelsea Market, ele fica lotado. Tem muitos lugares para comer, o que mais me chamou atenção era um que tinha vários tipos de frutos do mar e uma lagosta de dar água na boca.

NYC_high

Outra opção para comer, gastar menos e não pegar filas, são quilos dentro dos mercados.

Você vai colocando dentro do potinho o que quer e depois pesa no caixa e pode comer no parque ou em praças.

O Sleep no More Theater é uma peça de teatro que não tem falas, só performances. Você anda por um hotel mal assombrado e vai encontrando os atores. Vale a experiência!

Village

No Village, fica a Magnólia Bakery, que eu nem achei tudo isso de sabor, mas fiz questão de provar os famosos cupcakes do Sexy and the City.

Aqui também tem vários clubes de Jazz, o Fat Cat fica em um porão e é barato para entrar.

O Washington Square Park fica perto da NYU, a Universidade de Nova York, tem tipo um “Arco do Triunfo” e é um lugar em que moradores, turistas e estudantes gostam de passar as tardes.

High Line

Outro parque que é imperdível, principalmente para os paulistanos, é o High Line. Ele é bem extenso, e foi construído em uma antiga ferrovia.

A ideia é que o Minhocão em São Paulo seja assim um dia, e se for, vai ser ainda mais legal do que o de NYC, por ser mais largo.

Andando pelo High Line é possível ver grafites, entre eles, obras do Kobra e dos Gêmeos.

Kobra em NYC

Legal curtir o final da tarde às margens do Hudson River.

Entre o Lower Manhattan e esses bairros citados acima ficam a Chinatown e o Little Italy, vale dar uma andada, mas não achei nada demais.

Passeie por outros bairros de Nova York!

Bronx

Bronx, Queens e o que vi do gueto americano

Gueto! Que gueto? Não sei se é pelo fato de eu morar na periferia de São Paulo, mas não vi nem de longe um gueto como os brasileiros.

Talvez o que tenho no Brasil se comparasse a morar no fundo do Bronx ou do Queens.

Tem os negões que se vestem com as roupas largas, as correntes grandes, aliás a moda entre a garotada é deixar a tag de compra da marca nas mochilas e a tradicional cueca aparecendo.

Os latinos com cara de matadores cruéis que estranhamente não me pareciam perigosos de verdade.

Talvez seja só impressão mesmo, não convivi para saber, mas andava sem ninguém me abordar.

Não ouvia: “roubaram meu celular”, “por essa rua eu não passo”, “ande com a bolsa para frente”, enfim, era mais o esteriótipo que estava ali.

As casas estavam bem longe de ser os barracos que temos em algumas comunidades, mas na verdade eu não deveria comparar o ruim com o pior ainda.

Eles tem uma história de violência que foi muito bem revertida, talvez isso aconteça por aqui também um dia.

Vamos aos lugares que eu visitei, lembrando que vale a pena desbravar e dar uma passeada pelos bairros.

O que fazer no Queens?

O Flusing Meadows Corona Park é um parque bem grande, que foi projetado para ser sede da Feira Mundial de Nova York de 1939-40.

Uma atração que chama atenção é o Unisphere: um globo terrestre com três aros e fontes ao redor. Ele é lindo, alto e foi construído para a Feira Mundial.

unisphere

Há também o Museu de Arte do Queens, com arte contemporânea e um panorama da cidade de Nova York, e um Zoo.

No parque estão ainda as quadras que ocorrem o US Open de tênis e o estádio Citi Field do New York Mets. Além de quadras, pistas de skate, na verdade estavam andando de patinete, e campo de golfe.

Não fui, mas dizem que é legal andar pelo Astoria para entender a vibe do bairro.

O que fazer no Bronx?

O New York Botanical Garden fica longe das principais atrações de Manhattan, mas vale muito a pena a visita.

Quando fui estava acontecendo uma exposição da Frida Kahlo que continha a história da artista, algumas obras e a reprodução de seu jardim na Casa Azul. Amei!

Botanical Garden

Paga para entrar, mas achei que valeu, pois o ingresso me deu direito a visitar a exposição, entrar no conservatório e fazer um tour de trem pelo parque.

No Bronx fica o Estádio dos Yankees, o time é mega popular.  

Não coloquei o Brooklyn aqui, pois dediquei um post só para ele. 🙂

Brooklyn

O que fazer no Brooklyn em NYC?

O Brooklyn é grande e segmentado entre seus moradores de acordo a nacionalidade, a raça e o estilo de vida.

Eu estava hospedada em uma área de judeus de um lado da avenida, tinham algumas ruas que eram de cubanos do outro lado e por ai vai.

Williamsburg

Williamsburg é o lugar da moda, muitos restaurantes, bares, lojas, gente descolada, arte de rua. Se você tiver que escolher um único dia da semana para conhecê-lo, vá em um sábado.

Você pode tomar o seu café da manhã ou fazer um brunch no Egg, que fica em uma travessa da Bedford, e é delicioso.

Passeie pela Bedford com suas barraquinhas de artesanato, roupas, discos, flores, bijuterias.

Brooklyn

Visite os parques e veja o que a galera local faz aos finais de semana, são crianças treinando, adultos jogando com os seus times, passeando com o cachorro.

Tudo isso com muita ordem, visto que cada grupo tem uma cor de camisa.

Uma coisa bizarra que eu vi foram uns treinadores xingando muito e exigindo demais de crianças que estavam jogando Futebol Americano, uma chegou a ser expulsa do treino.

Rola ainda tipo uma feira livre e tem praças só para cachorros.  

Em um galpão, há o que eles chamam de bazar, é tipo uma feirinha de artesanato, vende coisas lindas e diferentes, mas achei caras, talvez com o dólar mais baixo eu teria feito a festa.

Você pode almoçar na Smorgasburg que é uma feirinha gastronômica grande às margens do East River, com muita comida orgânica e diferente, mas tem tradicional também, música e bebidas.

Smorgasburg

Para fechar, vá a Brooklyn Brewery! A fábrica de cerveja oferece tours guiados aos finais de semana de hora em hora e tem um bar em que você pode provar as bebidas.

Como não vende comida, eles permitem que você leve o que quiser para comer.

Brooklyn Museum e Prospect Park

Um pouco mais para baixo do Brooklyn fica o meu museu preferido, o Brooklyn Museum, que eu já comentei em outro post, o Jardim Botânico, que é gigante, e o Prospect Park, que é maior ainda e eu ainda não sei se gosto mais dele ou do Central Park.

A biblioteca pública também fica nessa região e é muito bonita.

Há também o Barclays Center, casa dos Nets e lugar em que shows grandes acontecem.

Dumbo

Mais próximo a ilha de Manhattan fica o Dumbo, que também é um bairro simpático com as suas ruas de pedras, prédios de tijolinhos, docerias, cafés e galerias de arte.

Tem um parque que fica às margens do East River com o Jane´s Carousel entre a Brooklyn e a Manhattan Bridge. Lugares que aparecem com frequência em filmes e seriados.

Brooklyn

E, é claro, o passeio mais que obrigatório em uma viagem a NYC: atravessar a Brooklyn Bridge andando. É lindo, é mágico e não cansa nadinha.

Veja também as atrações do Bronx e do Queens!