Roteiro Milão

Roteiro de dois dias em Milão: Dia 1

Dá para fazer um roteiro de dois dias em Milão? Dá! Eu queria ter ficado ao menos um dia a mais? Sim! Mas mais pelo motivo de que gostei da cidade e não porque não deu tempo de ver as principais atrações.

Acredito que o que contribuiu muito para o meu encantamento por Milão foi ter ido durante a Semana de Design. Haviam muitas instalações espalhadas pela cidade e em pontos turísticos. Foi uma quebra ao que eu até então tinha visto da Itália.

Não fiquei total no centro como expliquei no post anterior e vou montar um roteiro a partir do meu tempo de viagem e localização de hospedagem. Vamos lá!

Aviso: Nesse dia eu não usei transporte público, foi tudo a pé mesmo. As coisas não eram tão próximas. Andei bastante!

Manhã em Milão

Comecei a andar por Milão mais ou menos às 13 h. Cheguei 12 h na cidade. Por esse motivo, não fiz nada pela manhã.

Acho que você pode fazer esse mesmo roteiro se tiver o dia todo, só que com mais calma. Ou ir para o bairro de Navigli visitar lojas de artesanato e livrarias e admirar os prédios antigos, as pontes e os canais.

É só separar as atrações e montar o seu roteiro de acordo com o seu tempo, está bem?

Almoço “barato”

Na Via Vittor Pisani tem vários restaurantes. A área é bastante comercial com vários prédios empresariais. Durante à noite é bem vazia. O preço da comida é mais alto em relação aos outros locais que visitei da Itália.

Consegui achar um restaurante especializado em peixes que era gostoso, saudável e mais em conta. Para variar, esqueci de anotar o nome do local. Vou ser uma blogueira melhor.

Corso Como

Fui em direção à Porta Garibaldi que é um monumento. Ao lado dela está o Eataly. Dá para já comer uma sobremesa e aproveitar o Wi-Fi. E na frente a Corso Como.

A Corso Como é um calçadão com cafés, galerias e lojas com um visual incrível. Sério, eu amei esse lugar. A decoração, a vibe, tudo.

O destaque é a 10 Corso Como. Você entra por uma portinha e não dá nada pelo lugar. No térreo há um restaurante/café/bar e uma loja. Nos andares de cima tem uma livraria maravilhosa, uma galeria de arte e um terraço que tinha até uma Ferrari exposta.

Parque Sempione

O Parque Sempione é bastante grande, bonito e tem várias atrações, como: monumentos, museus, aquário e até um palácio. Visite o Arco della Pace, Arena Civica Gianni Brera, Torre Branca, La Triennale di Milano e Castello Sforzesco.

Quando fui ainda tinha um evento de música eletrônica rolando no local.

Próximo ao parque você pode visitar a Basilica Di Santa Maria Delle Grazie e a Igreja di San Maurizio al Monastero Maggiore. Religioso ou não, as igrejas são sempre bons passeios na Europa.

Para quem gosta de fazer compras ou ver lojas, em frente a saída do castelo do parque fica a Via Dante. A rua conta com conta lojas como a Lush, a Sephora, a Lacosta, a Chicco e outras mais.

Noite em Milão: Brera

Terminei a noite no Brera que é um bairro muito animado de Milão. Lá tem vários bares, galerias, restaurante e prédios antigos. Ele abriga a Pinacoteca de Brera que é bastante conhecida.

Como falei, fui na Semana de Design a Milão. Por esse motivo, o bairro estava recheado de festas. Algumas lojas estavam abrindo os seus showrooms e artistas expondo suas obras. Era um fervo só.

Dia 2 do roteiro de dois dias em Milão!

Compras em Milão: chiques e acessíveis!

Hospedagem em Milão!

Florença a Milão

Como ir de Florença à Milão? De trem!

O trem é sem dúvida a melhor opção para se ir de Florença a Milão. Além de ser a forma mais rápida, pode ser também bastante barato se a passagem for comprada com antecedência. A diferença de valor é enorme.

Já fiz um post dando dicas para economizar na compra das passagens de trem. Vale conferir!

Escolha o seu trem

Por questões financeiras, decidi pegar o Intercity e demorei mais do que se eu tivesse optado pelo Frecciarossa ou o Frecciargento. É a metade do preço, mas o dobro do tempo. Então, vai do que se encaixar melhor na sua viagem.

Para entender melhor a diferença entre os tipos de trens, vale dar uma olhada em um outro post em que expliquei como andar de trem pela Itália.

No Intercity, você leva quase 4 horas e no Freccia cerca de 1h 40. Se tiver grana, vale investir em uma viagem mais rápida para aproveitar melhor o próximo destino. Nessa altura, na minha trip, uma horinha a mais dormindo no trem não era uma má ideia.

Resumo da minha viagem

Empresa: Trenitália

Tempo de viagem: 3h54

Tipo do trem: Intercity 580

Valor: 9 euros

Saída: Firenze S. M. Novella

Chegada: Milano Centrale

Milano Centrale

Tinha ouvido falar que a estação central de Milão era um pouco perigosa. Cheguei tensa e notei que em volta e até dentro haviam moradores de rua e pedintes. Fui andando até o hostel, que era perto, foi tranquilo, mas fiquei bastante atenta.

Acredito que os cuidados básicos precisam ser tomados, como: prestar atenção na sua bagagem, não ficar andando com o celular a mostra, não se distrair com nada e nem aceitar ajuda de qualquer um. Se mora no Brasil, já deve fazer isso.

Buon divertimento!

Dicas para combater os batedores da carteira na Europa!

Saiba onde se hospedar em Milão!

Pisa Itália

Bate e volta saindo de Florença para Pisa e Lucca

O trem é sem dúvida a melhor opção para se ir de Florença a Milão. Além de ser a forma mais rápida, pode ser também bastante barato se a passagem for comprada com antecedência. A diferença de valor é enorme.

Como chegar a Pisa?

Há duas possibilidades: pegar o trem mais rápido (1 hora de viagem) na Firenze S. M. Novella. Descer na Pisa Centrale e andar por quase 30 minutos. Ou escolher o trem regional (1h 30 de viagem), ir até a Pisa San Rossore e andar cinco minutos até a Torre. O valor é de cerca de 8,40 euros pela Trenitália.

Em um outro post, expliquei e dei dicas de como andar de trem na Itália.

O que fazer em Pisa?

A atração da cidade é mesmo a Torre de Pisa. Ela fica como se fosse em um parque.

No gramado muitas pessoas fazem piqueniques ou simplesmente deitam na grama para relaxar.

No espaço, há ainda a Catedral, a Ópera do Duomo, o Batistério, o Cemitério e a “Sinopie”. Não vi filas para comprar os ingressos para visitar o interior das atrações, mas se quiser pode garantir os ingressos pelo site.

Na entrada tem um Mc Donald´s. Comprei o lanche lá e também fui comer no espaço verde do “Quadrado dos Milagres”. Sempre carrego uma canga comigo nas viagens.

Faça a turista empolgada e tire as fotos clichês com a Torre!

Como ir de Pisa a Lucca?

Pegue um trem, nesse caso só tem regional mesmo, na Pisa San Rossore para Lucca. O trajeto é bem curto, cerca de 20 minutos e o valor “baixo” – 3,50 euros. Além da estação ser na frente de uma das entradas da muralha.

Dicas: só há máquinas para compra de bilhetes na Pisa San Rossore, então, se puder, compre o bilhete antes. Outra coisa, você precisa ficar esperta na plataforma que o trem vai passar e no horário. Ele não fica muito tempo na plataforma.

O que fazer em Lucca?

Lucca é uma cidade da Toscana envolta por uma grande muralha. Só isso já poderia ser um motivo para conhecê-la, mas por detrás das pedras há uma encantadora vila. Andar a pé ou de bicicleta é a melhor opção para andar por suas ruelas.

Quando se tem pouco tempo, como em um bate e volta, a bike ajuda bastante. É possível alugá-la, deixando um documento ou o cartão de crédito como garantia.

Pegue um mapa da cidade e se jogue. Algumas atrações são: a Igreja San Michele in Foro, a Casa di Puccini, o Anfiteatro Romano, o Duomo de San Martino, o Palazzo Pfanner, a Torre Guinigi e as praças.

Como ir de Lucca a Florença?

A volta é em trem regional. Dura cerca de 1h 20 e custa 7,50 euros.

Ainda dá para chegar em Florença e aproveitar a noite!

Florença à noite

O que fazer à noite em Florença?

O centro é bastante movimentado e há muito o que fazer à noite em Florença. A cidade fica lotada de estudantes e turistas. Dá tranquilamente para passear pelas ruas a pé e conferir diferentes atrações.

Geralmente há opções ao ar livre, restaurantes, bares, cafés e baladas na capital da Toscana.

Restaurantes

Bom, você está na Itália e a comida é uma das melhores atrações. Então, você pode aproveitar a noite, ou pelo menos o começo dela, para degustar os pratos típicos do país. Pode ser uma bela massa, uma pizza ou até uma focaccia. O vinho pode acompanhar a refeição.

Bares

Florença tem muitos bares. Alguns deles ficam bastante lotados e permanecem abertos até tarde. Neles, é possível comer deliciosos aperitivos e bebericar.

Eu achei legal a vibe dos que são pequenos e tem cadeiras na rua.  Na Via dei Neri há alguns nesse estilo, o mais famoso deles é o Bar All’Antico Vinaio. Já aviso que tem que ter disposição para encarar a fila para comer o seu delicioso sanduíche.

Alguns contam com música ao vivo e há também pubs. Não fui em nenhum desses para poder indicar.

Atrações ao ar livre

Principalmente durante o verão, há muitas atrações ao ar livre pelo centro de Florença. Geralmente são exposições, concertos, teatros e até cinema. Vale dar uma olhada na programação da cidade. Você pode acessar o Firenze Spettacolo e o Firenze Notte.

Baladas

Há baladas para todos os gostos: eletrônica, de hip hop, pop, jazz, alternativa e para o público GLBT. Eu sempre acho legal perguntar para algum morador ou o pessoal da sua hospedagem qual a casa noturna mais bacana no momento. Eles terão boas sugestões e saberão o que está bombando e o que está flopado.

Compras, comidas e entardecer em Florença!

Veja as atrações turísticas da capital da Toscana!

Museu Florença

O que fazer em Florença? Museus e Galerias

Nos posts da minha Eurotrip, geralmente fiz roteiros dos lugares em que visitei. Porém, decidi escrever sobre o que fazer em Florença.

A capital e maior cidade da Toscana é bastante importante para a História da Arte. Por isso, tem muitos museus e edifícios religiosos que valem a visita. O problema é que dependendo da quantidade de dias que ficar vai ter que escolher quantos deles vai conseguir visitar.

Dicas de Florença

  • Bom saber que geralmente as atrações tem filas, então, é melhor comprar os bilhetes antes.
  • Outra dica é que geralmente as igrejas tem entradas gratuitas e sem filas. Então, você pode visitar essa parte se quiser abrir mão de ver os museus e torres.
  • Fazer visitas com áudio-guias é bem legal para você entender a importâncias de cada obra de arte.
  • Dá para fazer tudo a pé ou pensar em alugar uma bicicleta.
  • A parte de fora dos edifícios são atrações que valem a atenção.

Museus e Galerias

Galleria dell’Accademia: A principal atração é a estátua de David construída por Emilio de Fabris entre 1873 e 1882.

Galleria degli Uffizi: é um dos maiores e mais famosos museus do mundo. Tem milhares de obras que vão da época medieval aos tempos modernos.

Palatine Galeria e Galeria de Arte Moderna: o edifício foi o palácio de três dinastias – Medici, Lorena e Savoy. O Palazzo Pitti abriga obras vindas de coleções dessas famílias.

Bargello Museum: conta com importantes obras do renascimento de Donatello, Lucca della Robbia, Verrocchio, Michelangelo e Cellini. 

Medici Chapels Museum: ocupa parte do complexo da Basílica de San Lorenzo. Membros da família Médici foram enterrados no local.

Jardins de Boboli: os jardins de Boboli ficam atrás do Palazzo Pitti. Por quase quatro séculos foram residência dos grão-duques da Toscana.

San Marco Museum: o museu fica em uma parte do convento dominicano de São Marcos. Nele há esculturas de pedras e uma coleção de arte.  

Museu Arqueológico: fica no Palácio della Crocetta e tem uma das mais importantes coleções de arte etrusca do mundo.

Museo Novecento: dedicado a arte italiana do século XX.

Loggia dei Lanzi: o espaço fica aberto gratuitamente à visitação e tem esculturas que atraem os turistas. A que chama mais atenção é a “Perseu com Cabeça de Medusa”, de Benvenuto Cellini. A atração fica na Piazza della Signoria. 

Confira os passeios em locais religiosos de Florença!

Saiba onde se hospedar em Florença!

Maratona de Roma

Relato: acompanhei a chegada da Maratona de Roma

Nunca tinha assistido à uma maratona. Na verdade, só havia acompanhado uma corrida na praia em que o foco era parar nos postos e beber latas de cerveja. Mas, adorei curtir a Maratona de Roma e ter mais uma experiência esportiva internacional.

Os atletas e o clima na cidade

Sabia que a competição aconteceria desde o meu primeiro dia na cidade. Uns dois dias antes da maratona os atletas começaram a chegar. Havia pessoas de diferentes lugares do mundo. A minoria disputando realmente o título e grande parte tentando bater as suas metas pessoais.

Antes da corrida, as ruas de Roma ficaram bastante movimentadas. Os atletas pareciam bastante alegres e famílias inteiras foram acompanhar a disputa.

O legal de uma competição de longa distância é que você pode acompanhá-la de diferentes lugares da cidade. Além de ter como cenário lindos pontos turísticos.

Turistas

Para quem quer só turistas mesmo fica um pouco complicado, pois as atrações ficam fechadas durante a competição. Algumas ruas não podem ser transitadas e uma simples atravessar de pode dar um trabalhão.

A chegada

Os atletas com deficiências físicas são bastante aplaudidos durante o percurso. Para mim, o mais legal foi a chegada. Pude acompanhar os vencedores nas categorias masculinas e femininas e foi emocionante.

Acho que o mais legal de uma maratona ou de outro esporte individual é que trata-se de uma disputa contra os próprios limites. É uma grande superação.

Para variar, os africanos dominaram o pódio. Como estava frio, ao chegar os atletas eram encobertos por mantas térmicas.

Bate e volta de Roma

Bate e volta de Roma a Castel Gandolfo

Reservei um dia para fazer um bate e volta de Roma que inicialmente seria para Pompeia e Nápoles. Porém, na hora decidi ir a Castel Gandolfo que é uma comuna belíssima na região do Lácio.

Para ir à Pompeia e Nápoles é preciso pegar o trem no máximo das 7 horas da manhã e ele custa cerca de 23 euros o trecho. Perdi o horário da saída e não quis gastar todo esse dinheiro. Fica para a próxima! Dicas desse bate e volta aqui.

O Castel.Gandolfo me atraiu pelo valor (2,10 euros), pela proximidade com Roma (30 km) e por ficar em montanhas vulcânicas cercadas de charmosas cidadezinhas e um lindo lago.

Como ir de Roma A Castel Gandolfo?

Você pode pegar o trem regional na estação Roma Termini com destino a Albano e descer na estação Castel Gandolfo. É possível comprar a passagem nas máquinas da estação, mas não pode esquecer de validar o bilhete antes de entrar no trem.

Já compre a ida e a volta. Não consegui achar nenhum ponto de venda em Castel Gandolfo e voltei sem bilhete. Não tive problemas, mas se pegam, tem que pegar multa.

Quando você sai da estação tem a opção de descer para o Lago Albano ou subir para a cidadezinha onde fica a residência de verão do Papa. Vai ter que andar nas duas opções!

No alto das montanhas

Bate e volta de Roma

Do alto das montanhas de Castel Gandolfo é possível ter uma vista incrível, sério, é muito linda. Você observa pequenos vilarejos com casinhas italianas charmosas em meio à natureza. O Lago Albano aparece para deixar tudo ainda mais bonito.

Lá estão três palácios, entre eles, a Residência de Verão dos Papas. Ela foi usada por séculos pelos pontífices, desde 1926, porém, recentemente, o Papa Francisco decidiu não usufruir do local e abriu várias áreas do palácio à visitação. A área também abriga um museu.

Os Jardins de Castel Gandolfo tem 2 km de comprimento e  também atraem bastante os visitantes. Além da Paróquia de San Tommaso da Villanova.

Passeie pela vila, entre em vielas, desça as ruas, admire as lojinhas locais com decorações super fofas e criativas, e se encante pelas casinhas e pela vida dos moradores do vilarejo.

Onde comer em Castel Gandolfo?

Bate e volta de Roma

Difícil decidir onde comer. São tantas opções deliciosas que fica até difícil. Para ficar mais fácil você pode almoçar em um lugar, degustar a sobremesa em outro e tomar um café da tarde em um terceiro ponto gastronômico. Não vale pensar em dieta na Itália.

Aproveite os locais com vista para o lago. Almocei em um que era uma entradinha no meio da vila, ao descer as escadas me deparei com uma vista que me surpreendeu muito e deixou a minha refeição ainda mais especial.

As margens do Lago Albano

Decidi descer até as margens do lago para ver o que encontrava por ali. No pé das montanhas e próximo ao Lago Albano também estão alguns bares, quiosques e restaurantes. Além de ter atividades tipo de praia, como canoagem, pessoas tomando sol e fazendo piquenique.

No verão, a região costuma ficar cheia de romanos.

Veja o roteiro de 3 dias em Roma!

O que fazer à noite em Roma?

A vida noturna da cidade é bastante agitada. Sobram opções de bares, restaurantes, baladas e passeios ao ar livre. Bora ver o que fazer à noite em Roma.

Centro

As ruas do centro ficam cheias de gente principalmente aos finais de semana à noite. A Via Leonina e a área ao redor tem muitos restaurantes, bares, cafés e pubs. Vale caminhar e ver se quer entrar ou não em algum lugar. As ruas já são atrações.

Trastevere

O bairro é muito charmoso e reúne restaurantes, bares, pubs e casas noturnas. Mesmo que não queira curtir madrugada a fora, vale caminhar por Trastevere e sentir o clima romano de suas vielas e construções.

Testaccio / Ostiense

A área entre as ruas Via dei Monte Testaccio e Ostiene também são bastante agitadas. Ela abriga casas noturnas moderninhas, pontos de encontro LGBTs e até baladas latinas. Local de diversidade!

Campo di Fiori

Durante o dia, a feirinha pode ser a atração do bairro, mas durante à noite são os restaurantes e bares que atraem turistas, estudantes e locais. Eles lotam a região.

Praças

As praças ficam extremamente lotadas à noite. Principalmente por jovens que levam as suas próprias bebidas e comidas e ficam ali conversando com os amigos e se divertindo. No centro até praça pequenas são pontos de encontro.

Para quem procura um passeio mais chique vale apostar na Piazza Navona, na Piazza Spagna e na Via della Pace.

Passeios noturnos

Ande por Roma à noite, os pontos turísticos são bem bonitos iluminados. As ruínas do Foro Traiano e a Fontana di Trevi, por exemplo, ficam lindas depois que o sol vai embora. Recomendo e muito!

Veja os roteiros de viagem de Roma!

Tem mais dicas de passeios noturnos? Deixa ai nos comentários!

Alugar scooter em Roma

Como alugar uma scooter em Roma?

Se você, como eu, cresceu vendo filmes em que as personagens andam de scooter – lambreta –  em Roma, definitivamente não pode deixar essa oportunidade passar. Para dar uma forcinha, vou mostrar nesse post como alugar uma scooter em Roma!

 Onde alugar uma moto em Roma?

Baseado na localização do meu hostel, fui a dois lugares de aluguel de scooter o: On Road e o Bici and Baci. Os valores eram bem parecidos, dá cerca de 30 euros a diária da mais simples, sem pagar pelo combustível que é pouco.

Aluguei no Bici and Baci, pois não queria uma diária e sim quatro horas. Financeiramente não vale a pena, mas iria fazer a área do Coliseu e Foro Romano na parte da tarde e não valeria a pena ficar com o veículo.

O que você precisa para alugar uma scooter?

Carteira de motorista, brasileira mesmo, e não precisa ser com habilitação em moto. Na verdade eu aluguei a scooter com a minha CNH vencida. Esqueci a que vigente no hostel e eles nem notaram.

Vai precisar também de um cartão de crédito. Assim como acontece ao alugar um carro, eles passam um valor caução no seu cartão e depois fazem o estorno desse valor.

Precisa saber pilotar uma moto?

Acho difícil responder isso, pois eu já tive uma scooter na adolescência. Meu pai era bem irresponsável! Mas, enfim, apesar de fazer anos que eu não andava, tinha uma ideia do que deveria fazer.

O que posso dizer é que não é difícil e o pessoal da locadora dá umas dicas. Acredito que qualquer um possa tentar, mas com cuidado.

Como é dirigir em Roma?

Loucura, loucura, loucura! Brincadeiras a parte, eles não são as melhores pessoas no quesito respeitar as leis de trânsito. Você vai ver carros parados em fila dupla, pessoas atravessando fora da faixa, veículos disputando os espaços.

No começo dá um medo, mas depois você se acostuma. Começa a não ligar para os outros e curtir seu passeios. Lembre-se que eles estão no dia a dia e você quer aproveitar a cidade. Além de estar com um veículo pouco potente.

Dicas

  • É preciso ficar atenta as placas de trânsito, pois existem ruas que não permitem o trafego em determinados dias da semana e horário.
  • A minha maior dificuldade foi parar a scooter. Preste atenção nessa parte da explicação e dê uma treinada. Tive que pedir ajuda para parar.
  • Ande de moto depois que já se localizar na cidade. É bem difícil usar qualquer tipo de GPS. Vai ter que ficar parando de vez em quando e pode estar no caminho totalmente errado.

Quer saber o passeio que fiz de scooter? Confere no Nah Estrada!

Roteiro de 3 dias por Roma! 

Roteiro de 3 dias em Roma

Roteiro de 3 dias em Roma (Dia 3)

O terceiro dia do roteiro de 3 dias em Roma é dedicado ao outro lado  do Rio Tibre: Trastevere e Vaticano. Nesse dia, eu aluguei uma scooter e foi uma experiência inesquecível.

Trastevere

Roteiro de 3 dias em Roma

O bairro judeu-romano é lindo demais! As ruas são como vielas estreitas que mais parecem um labirinto. Andei por elas de lambreta e me achei uma típica italiana. Chegar até Trastevere de scooter já foi um desafio, se locomover lá dentro então nem se fala. 🙂 Estava muito perdida.

Depois de rodar  parei para tomar café da manhã no lugar que vende o melhor cannoli que já provei na vida. Não sei o nome e nem onde fica. Ótima, blogueira! #sqn. Dizem que há bons cafés na Piazza di Santa Cecília e nos arredores. Não provei, mas eram bem bonitinhos.

Visite a Basílica de Santa Maria, que é a mais antiga de Roma.  Subindo para o Parque de Gianicolo, pare na Fontana dell’Acqua Paola. A fonte é bonita, mas o mais legal é a vista que se tem de Roma.

No Parque Gianicolo, a recomendação é tomar um sorvete e curtir a vista da conhecida como a oitava colina de Roma. Observe também o monumento da Piazzale Anita Garibaldi.

Na descida, ainda é possível ver o Faro degli Italiani d´Argentina. Descendo a Via del Gianicolo, você estará pertinho do Vaticano.

Vaticano

Roteiro de 3 dias em Roma

Não seja enganado no Vaticano! A primeira coisa que você precisa saber é que para entrar na praça e visitar a Basílica de São Pedro é de graça e não tem fila. Você vai ver uma fila gigante e você não irá pegá-la. Há pessoas vendendo essa entrada e outros tipos de passeio, corra!

A Capela Sistina e o Museu do Vaticano são pagos. Para não pegar a imensa fila é preciso garantir o seu ingresso antes pelo site. Dessa maneira, há uma taxa de reserva de 4 euros. Verifique os valores e os descontos. Na hora é só apresentar o voucher. Vai parecer que você está furando fila!

Lembre-se de que não pode entrar no Vaticano com roupas curtas e decotadas.

Museu Nacional de Castel Sant’Angelo

Roteiro de 3 dias em Roma

O Museu Nacional de Castel Sant’Angelo tem entrada gratuita no primeiro domingo de cada mês e pode ser acessado com o Roma Pass. Confira informações de preços e horários. Além das obras, esculturas e monumentos, A construção do castelo em si já chama bastante a atenção.

Na volta, passe pela Piazza Cavour e note a Corte Suprema di Cassazione. Na hora do almoço, é possível notar os funcionários comendo suas marmitinhas na praça. Pegue a Ponte Umberto I ou a Cavour e atravesse o Rio Tibre novamente.

Campo di´Fiori

Para dar uma desacelerada, é possível visitar o Campo di´Fiori. O filósofo Giordano Bruno foi executado nessa praça, mas hoje o destaque são para as lojinhas, cafés, sorveterias, restaurantes e uma feira durante o dia.

Veja o primeiro dia do roteiro de Roma!

Confira o segundo dia do roteiro de Roma!